Como posso entender?

Quantas vezes eu paro e penso: Como é posso entender? Entender o mundo, as pessoas e entender a si mesmo.

Quantas vezes achamos que dissemos o certo mas entenderam o errado ou simplesmente dissemos errado sem planejar fazer isso?

Quantas vezes nos sentimos incompreendidos, como se as pessoas em nossa volta tivessem  a obrigação de compreender aquilo que nem mesmo somos capazer de entender?

Quantas vezes desejamos ser outras pessoas, como que imaginando que existe vida perfeita e deixamos de perceber que outros acham a nossa perfeita e gostariam de estar em nosso lugar?

Quantas vezes cobramos justiça, ainda que muitas vezes somos injustos, cobramos amor ainda que odiemos, cobramos respeito ainda que desrespeitemos, enfim, cobramos o tempo todo ainda que odiemos ser cobrados?

Quantas vezes cobramos tanto de nós mesmos, como se tivessemos a obrigação de sermos perfeitos, como se falhar fosse um ato não permitido e aumentamos a imensa angústia da auto-decepção?

Quantas vezes ficamos em dúvida, quanto tudo parece tão claro ou sentimos a sensação de vazio, quando alcançamos aquilo que tanto desejamos?

Quantas vezes somos conselheiros de problemas, que nós mesmos não sabemos resolver ou nos tornamos referência para as pessoas, ainda que achemos que não somos para nós mesmos?

Quantas vezes sonhamos com o impossível, como que tentando sentir o gostinho do irrealizável ou somos capazes de tornar um pesadelo, aquilo que para muitos é apenas um sonho?

Pois bem, quantas perguntas insistimos em encontrar respostas, como se existissem respostas para todas elas, e gastamos todo nosso tempo e esforço, buscando soluções para o insolúvel, quando poderíamos simplesmente viver e deixar a vida acontecer, lidar com complicações, mas nunca complicar, ser nós mesmos, sem se preocupar com o que vão pensar e entender que de fato não podemos entender o mundo as pessoas e acima de tudo a si mesmos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.