O que aprendi com a NBA sobre gestão de negócios

kobe_bryant_biographyO que aprendi com a NBA sobre gestão de negócios

Que a NBA é mais conhecida e importante liga de basquete do mundo, provavelmente você já sabe, mas que ela é uma escola completa em gestão de negócios, talvez você ainda não tenha descoberto.

O ambiente de um time da liga é semelhante ao de uma empresa em um mercado altamente competitivo onde só os melhores sobrevivem. Não é por acaso que na NBA estão às melhores equipes e conseqüentemente os melhores jogadores de basquete do mundo. A temporada 2009/2010, que teve como campeão o time Los Angeles Lakers foi exaustivo, disputado e definido nos detalhes. Ao todo foram mais de 80 jogos, mas somente Boston Celtics e Los Angeles Lakers foram para a grande final numa série de melhor de sete jogos que foi decidida no sétimo jogo com uma diferença de apenas quatro pontos. Até os últimos 12 segundos não se poderia prever qual dos dois times seria o campeão da temporada.

Semelhantemente, o mercado competitivo das empresas muitas vezes é decidido nos detalhes e algumas empresas possuem desempenhos tão parecidos que não se pode precisar qual delas é melhor. Exigir o máximo da equipe e alcançar feitos que parecessem pouco prováveis não é algo que ocorre somente na NBA, mas faz parte do dia a dia das empresas de alto desempenho.

Na NBA tudo é medido, registrado e comparado. Desde o desempenho individual ao desempenho em equipe. Para o jogador, suas estatísticas o acompanharão durante toda a sua vida profissional na liga, podendo inclusive torná-lo um mito. Todas essas estatísticas pessoais formam o currículo do jogador, assim como um profissional tem seu currículo construído por suas competências, habilidades, formação, desempenho e resultados. A diferença é que o desempenho individual é de conhecimento de todas as equipes da liga e estas disputam os jogadores entre si. No mercado, no entanto, não é tão simples de avaliar as qualificações pessoais de cada profissional no mercado como na NBA, pois não temos acesso as estatísticas individuais. Mas os melhores profissionais são disputadíssimos pelas empresas.

Olhando a importância que a liga dá as estatísticas podemos aprender o quanto elas podem dizer sobre avaliação de equipes, pois empresas que conseguem medir os resultados, individualmente e coletivamente, tem melhores condições de formarem times campeões. Na NBA um time inteiro pode jogar em prol de um jogador estrela, assim como um jogador estrela pode jogar tudo em prol de um time. Isso foi o que aconteceu com a estrela Kobe Bryant, que nos jogos da final foi exaustivamente marcado, mas mesmo assim foi capaz de atrair a marcação para permitir que outros jogadores de sua equipe alcançassem o resultado. Por mais estrela que um jogador seja, na NBA ele pode fazer a diferença, mas não ganha o jogo sozinho. Do mesmo modo numa empresa precisamos de estrelas, mas estrelas capazes de atuarem coletivamente.

Muitos jogadores se especializam em determinados fundamentos, como chute de três, gancho, defesa, assistência, dentre outros. Mas os melhores jogadores são aqueles que são completos e exigem muito dos seus adversários. Numa empresa, a cada dia, o profissional completo é aquele que desenvolve habilidades técnicas e interpessoais, além de um comportamento adequado, sendo assim altamente valorizado. Processos seletivos não se restringem a avaliar os profissionais somente com base no seu conhecimento técnico, mas com base no todo que ele apresenta.

nba-caresA responsabilidade social está em alta nas empresas. O mercado não quer empresas que sejam simplesmente bons fornecedores, mas querem fornecedores socialmente responsáveis. Na NBA não basta que o time seja um bom time de basquete, ele tem que realizar projetos sociais e esses projetos são apresentados durante os jogos pela comunidade social da liga conhecida como NBA Cares. Do  mesmo modo, as empresas também divulgam seus projetos sociais como forma de serem admiradas pelo mercado.

Na NBA todos os anos os melhores jogadores universitários tem a chance de serem drafitados pelas equipes da liga. Isso permite que novos talentos possam realizar o sonho de tornarem-se jogadores da NBA. Nas melhores empresas, todos os anos os melhores universitários tem a oportunidade de serem contratados como trainees. A disputa é tão acirrada quanto na liga universitária de basquete dos EUA. Só os melhores jogadores terão chance no draft e mesmo assim passam anos para conseguirem atingir o grau de excelência que tinham no campeonato universitário. Para as empresas que abrem programas de trainees, o processo é semelhante. É preciso investir muito na formação prática desses profissionais, de modo que possam tornar-se exímios profissionais.

Por fim a estratégia é um dos principais fundamentos de um time vencedor. A estratégia é volátil, tendo que mudar de acordo com as condições do jogo, tempo restante, número de faltas de um ou mais jogadores, para atacar ou defender melhor, enfim, o jogo é um conjunto de estratégias complexas. São dezenas de combinações estratégicas possíveis que um time pode adotar. Mas a estratégia não se restringe a visão do treinador, pois os jogadores de alta performance são grandes estrategistas e suas decisões refletem diretamente o desempenho de todo o time.

Em uma empresa a estratégia é peça fundamental de sucesso. Estratégias bem elaboradas podem alterar o curso de um negócio e garantir que os objetivos traçados sejam alcançados, enquanto que estratégias mal definidas podem comprometer todo o resultado esperado.

Ainda não sei como será a próxima temporada da NBA, mas sei que será desafiador e fascinante como o mercado empresarial tão competitivo. Acima de tudo sei que no final da próxima temporada terei aprendido ainda mais que uma temporada da NBA, pode na verdade ser um MBA de Gestão de Negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.