EMPREENDER NA CONTABILIDADE COMO NÔMADE DIGITAL

Estive com Daniel Segura, que é um dos primeiros nômades contábeis digitais.

Falamos sobre empreender na contabilidade com estratégias de crescimento, contabilidade digital e resultados como ser um empreendedor contábil de sucesso.

Como começou a jornada na contabilidade

O Daniel praticamente nasceu dentro de um escritório de contabilidade, isto porque no mesmo ano em que ele nasceu, o pai resolveu abrir o escritório.

Logo na adolescência já escriturava livros e passou por muitas etapas da contabilidade, principalmente nos anos 90 e já perdeu as contas de quantas filas e horas passou nas Juntas Comerciais e Prefeituras.

Curiosamente, quando ele se graduou, resolveu fazer publicidade e propaganda, numa tentativa de fugir da contabilidade, pois não gostava da parte operacional.

Ele trabalhou em agências de marketing e sempre gostou muito disso. Mas, em meados de 2008 o pai acabou “pressionando” dizendo que alguém precisava assumir o escritório.

Daniel topou o desafio, desde que  fosse sócio do pai e pudesse crescer.

O pai nunca teve interesse de escala ou expansão e foi assim, que ele resolveu empreender na contabilidade e está até hoje nisso.

Empreendedorismo contábil de qualquer lugar do mundo

Originalmente o escritório é de São Paulo, mas hoje ele trabalha com tudo nas nuvens, ou seja, seu modelo de negócio é digital.

Foi feita uma fusão com um escritório de Fortaleza para que ele pudesse atender praticamente a nível de território nacional, isso fez com que ele quebrasse algumas barreiras geográficas.

imagem que represente sociedade entre empresas
A escolha de um sócio precisa ser feita de forma estratégica para alavancar seu negócio

Atualmente ele tem 3 empresas: uma delas é de contabilidade, contando com 18 colaboradores fazendo parte do seu time de regiões diferentes do Brasil.

Ele está no nomadismo digital desde o início da pandemia. Apesar da ideia já existir antes, depois que ele teve que obrigatoriamente trabalhar em casa, viu a possibilidade de concretizar a vontade de viajar e trabalhar fora de casa.

Antes do primeiro lockdown ele estava em Londres e teve dificuldades para voltar ao Brasil.

Quando conseguiu, ele voltou e ficou trabalhando de casa e com toda a situação do mundo, tinha muito medo após retornar e ficou 1 mês sem ver pessoalmente sua filha.

imagem que represente nomadismo digital
O modelo de trabalho permitiu que conseguisse se adaptar em meio a situação que enfrentamos mundialmente

Nesse tempo totalmente confinado percebeu que era uma oportunidade de mostrar aos sócios e também para as demais pessoas do time, que não havia necessidade de um espaço físico para de fato trabalhar na contabilidade.

A ideia de empreender como nômade sempre foi pensando em trabalhar fora do Brasil, como as circunstâncias ainda não permitem, ele está viajando pelo nosso país e conhecendo outros estados.

Organização da rotina de trabalho

Mas afinal, como ser um nômade digital e ter uma boa organização? Entenda!
Ele se programa para cumprir com suas tarefas de manhã e deixa a tarde mais livre.

Na parte da manhã ele faz mais as tarefas e a tarde seu foco é na comunicação.

Todo acesso do sistema é via web. Antes da pandemia, já tinham 80% das coisas nas nuvens como ferramentas e sistemas.

O que havia no servidor eram os arquivos, que foram aposentados em um curto espaço de tempo. E isso para o mercado ainda é um tabu.

Qual o maior desafio no nomadismo digital contábil?

A primeira coisa é mudar a chave e compreender que é possível trabalhar de qualquer lugar, ainda mais quando se trata de prestação de serviços.

Todo processo que existe dentro do escritório é possível ter nas nuvens e também fazer com que os clientes se adaptem ao modelo de negócio.

Acredite: Não podemos ficar reféns dos clientes.

Daniel disse que não perdeu clientes nessa virada, mas porque trabalharam todos caso a caso.

E mesmo estando no período de pandemia, houve prospecção de clientes?

Sim, eles cresceram quase 20%.

Expansão de negócios

Eles fizeram uma fusão em fevereiro, com um escritório de Fortaleza.

Aconteceu em razão de uma dor que Daniel tinha e que Patrícia (a dona do outro escritório) tinha também. A empreendedora precisava de alguém para relacionamento com cliente e comercial e o Daniel estava precisando de uma pessoa para fazer a gestão operacional, pois estava com muitos problemas.

Portanto, houve uma sinergia de necessidades e eles passaram por várias fases até concluir essa fusão completa, combinaram que no início somente os clientes novos eram dos dois.

imagem que represente conversa entre empreendedores
Todas as particularidades do acordo entre as partes precisam estar bem alinhadas

Eles seguiram, cada um com a sua estrutura, um ajudando o outro na gestão operacional e começaram a colocar novos clientes, permitindo o crescimento do negócio e passando a entender que tudo estava dando certo.

A partir do momento que tiveram essa certeza, resolveram então fazer a fusão de forma mais plena.

O que levar em conta antes da sociedade

É claro que haviam processos diferentes, se uniram, mas deu certo.

O processo todo levou um tempo, e estão ainda no neste curso.

Esse tipo de dor onde tem diferentes habilidades entre pessoas de empresas diferentes é comum.

Mas as pessoas ficam inseguras de se unir para fazer um processo como esse.

Qual a recomendação para isso dar certo?

  • Sozinho a gente não vai para lugar nenhum, ele estava se vendo sozinho e precisava de alguém para ajudar na aceleração.
  • O segredo de tudo é foco.
  • Se você ama o que faz, fará isso bem.

Ele não tinha nenhuma experiência de fusão e foi buscar conhecimento para isso.

Quando partimos para a questão da fusão é preciso confiar na outra pessoa.

A contabilidade é um serviço de confiança!

Há também a sinergia de custos, onde se diminui alguns gastos. Ainda que existam desafios numa fusão, ela é uma união de forças. Os sócios da Tactus possuem habilidades diferentes e que se complementam.

É importante dividir para multiplicar!

Você prefere ter um pedaço grande de algo pequeno ou um pedaço menor de algo muito grande?

Com um sócio é possível segregar as coisas e isso facilita muito todo o processo.

O sócio tem os mesmos propósitos que você, isso é importante. Além disso, o outro tipo de negócio que o empreendedor possui é algo totalmente interessante e vamos apresentar a seguir para você!

Como funciona o projeto da incubadora?

O Daniel tem uma incubadora Contabilidade do Futuro , que é a primeira do Brasil.

Ele acompanha muitas startups, o modelo nômade, incubadora, tudo isso faz parte do contexto desse mundo.

Ele pensa que a startup é um modelo inovador, e se ela é inovadora para outros segmentos porque não trazer isso para a contabilidade?

Com o objetivo de ser cada vez mais inovador na contabilidade, Daniel entende que prolonga sua vida útil, e isso está correto.

Ela passou por um momento piloto de implantação, mudou-se muita coisa e hoje o foco são três pilares:

  • Conhecimento e instrução através de mentorias;
  • Acompanhamento através de consultorias;
  • Tecnologia através de parceiros.

Eles oferecem, tudo isso para o incubado dentro da incubadora.

Vantagem de participar desse projeto

Ali dentro ele tem 11 mentores com know-hall de mercado contábil, e todos são especialistas em algum tipo de tema.

Ele uniu mentores com experiência no mercado para passar isso para os incubados.

Tempo de ciclo dentro da incubadora

A média está em torno de 8 meses até que a pessoa se sinta preparada, eles não colocam prazos, os encubados que se auto promovem a sair e seguir sozinhos.

O incubado vai trabalhar de onde quiser e vai contar com: suporte, mentorias, tecnologia, parceria com ferramentas e etc.

Assinando o plano ele terá o software contábil, de processos e ferramenta de captação de notas fiscais, isso para que ele se acostume com essa mínima tecnologia necessária.

Ele tem vários cases de sucesso de encubados e são cobrados valores fixos do incubado.

Hoje se o encubado não vem com nenhum cliente, ele vai primeiro para parte educacional, para depois ir para outros planos que aí vem a estrutura de acompanhamento e tecnologia.

Muita gente entrou na incubadora para conhecer melhor e decidir se ia se tornar um escritório contábil.

Quem acaba de sair de uma formação contábil é comum ficar perdido(a) e isso foi ajustado ao passo que foi identificada essa característica.

É uma fase de autoconhecimento.

A pessoa fica num plano só de mentorias para aprender e ver se é isso mesmo que quer.

Eles atendem a nível brasil incubados em regiões que nem conheciam, e isso é muito legal.

Quantos incubados já passaram pelo ciclo e quantos tem atualmente?

Atualmente eles têm 50 e querem avaliar se dentro do mercado contábil podem escalar.

Muitas pessoas se formam e não sabem se querem empreender ou não e a incubadora pode fazer essa transição para ela.

No projeto já passaram mais de 100 incubados e  as oportunidades surgem de dores e vale a pena destacar que ele viu isso a partir de uma dor de mercado.

Eles querem ir além, buscar parceria com faculdades para fazer pilotos de escritórios nas faculdades, oferecendo mentorias para os alunos e filtrando as dores.

Conciliando vida pessoal e profissional

Mesmo Daniel sendo um nômade, ele entende que as vezes, assim como nós, precisa de um tempo para respirar.

Mesmo viajando a maior parte do tempo ele passa trabalhando, é claro que é possível aproveitar períodos, mas não se “desliga” totalmente das suas empresas.

imagem que represente viagem de descanso do trabalho
É preciso encontrar um equilíbrio para conciliar questões da vida pessoal e profissional

Quando você não tira um descanso começa a faltar qualidade nas coisas que tem prazer em fazer. Por essa razão as pausas são necessárias e extremamente importantes.

No caso de Daniel, a noiva dele é a concorrente dele! Eles trabalham em nichos diferentes, mas em escritórios contábeis diferentes e brincadeiras à parte, um acaba ajudando o outro e auxiliando  em várias questões.

Ele conheceu a noiva em um evento contábil e atualmente eles moram e estão juntos há um ano e meio.

A pandemia intensificou a relação, ficaram isolados juntos e tudo fluiu naturalmente.

Daniel fala de planos de casar, morar fora, turismo e mesmo no esquema de trabalho: um dos destinos analisados é Londres.

Daniel acredita que esse seja o futuro: não precisar de um espaço físico para ele conseguir trabalhar, mas que seja possível deixar um espaço físico disponibilizado para os colaboradores que têm dificuldade em casa, por exemplo.

Com a nova geração dos cases da incubadora, a maioria prefere trabalhar remoto, em casa ou em qualquer outro lugar.

Um problema muito sério enfrentado pelos empreendedores contábeis é o medo, mas isso é normal e a incubadora dá suporte para que se perca esse medo e possa quebrar essas barreiras.

O empreendedorismo contábil está indo para um lado mais consultivo, isso exige mais conhecimento do que propriamente técnicas de execução.

Cada vez mais as coisas serão automatizadas pela tecnologia, precisamos desse tipo de conhecimento para não ficar para trás.

É preciso se atualizar pois estamos indo para uma parte mais consultiva e somente nisso não podemos ser substituídos pelos robôs.

imagem que represente gravação do podcast entre Daniel Segura e Anderson Hernandes
A tendência é que a tecnologia automatize todos os processos e o modo de empreender de Daniel é o sonho de muita gente

E você, qual o seu sonho? O que te impede de viver isso?

Deixe para nós seu comentário e compartilhe este conteúdo para que mais pessoas possam ter acesso à informação.

0 0 votes
Avaliação do artigo
Inscreva-se
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

CADASTRE-SE E RECEBA

E-book Marketing Contábil 2.0 e o E-book 41 Técnicas de Negociação para Contadores