O que aprendemos da interdição de Viracopos em relação a Azul Linhas Aéreas Brasileiras?

 

Depois de palestrar em Campo Grande estava tudo certo para retornar a São Paulo com destino a Viracopos em Campinas quando fui informado da interdição do aeroporto devido um cargueiro que ficou parado no meio da pista por ter furado um pneu na hora do pouso. Diante desse cenário a Azul Linhas Aéreas explicou o problema aos passageiros e as alternativas que incluíam o reembolso, hospedagem e realocação em outros voos, sendo o mais próximo disponível para dois dias depois, além de todas as despesas de hospedagem. Optei pelo reembolso, comprei passagem por outra companhia para o dia seguinte e fiquei hospedado uma noite por conta da Azul.

Qual é o prejuízo desse incidente a uma companhia que opera 85% dos seus voos por Viracopos? Os números ainda não foram divulgados, mas até a finalização esse artigo já são mais de 15 mil passageiros sem voar e mais de 450 voos cancelados e sem a liberação da pista. Num mercado altamente competitivo onde a disputa por passageiros, a intensificação pela redução de custos e a alegada margem de lucros apertada um problema como esse pode gerar grande perda financeira, além da credibilidade da imagem da empresa. A estratégia da companhia de apostar suas fichas num único aeroporto mostra sua vulnerabilidade e pode determinar até mesmo a quebra dela em situações mais extremas.

Aplicando o exemplo da Azul Linhas Aéreas no contexto empresarial, toda empresa precisa ter um plano de contingência e evitar a concentração de suas receitas em um único canal de vendas ou cliente, ter apenas uma opção logística ou depender exclusivamente de um único fornecedor minimizando assim vulnerabilidades. A estratégia deve prever planos para lidar com variáveis controláveis – aquelas em que a empresa pode atuar diretamente no controle, ajustando-se para minimizar os impactos e as incontroláveis – aquelas que a empresa não tem controle direto, mas mesmo assim pode ter planos contingenciais para evitar os danos causados por ela. Em mercados tão competitivos um erro estratégico pode ser determinante para o fracasso de uma empresa, por isso sempre que possível evite a concentração estratégica.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.